Homero Marchese faz defesa da Lava Jato na Assembleia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Deputado defende procuradores de ataques feitos por ministros do Supremo Tribunal Federal

O deputado Homero Marchese fez uma defesa da Operação Lava Jato em pronunciamento na Assembleia Legislativa, na tarde desta terça-feira, 19. O deputado classificou a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de manter com a Justiça Eleitoral a competência para julgar crimes conexos aos eleitorais, como um “ataque à Operação Lava Jato e ao combate à corrupção”.

“A Justiça Eleitoral é muito boa para tratar de questões eleitorais. Mas é claro que crimes complexos de corrupção exigem procuradores e juízes especializados. Precisamos falar a verdade. Essa decisão dificulta o combate à corrupção e beneficia a impunidade”, disse Homero, lembrando que a operação quebrou uma regra histórica de impunidade no Brasil. “Ricos e poderosos não eram atingidos pela Justiça no Brasil. Foi a Lava Jato que mudou isso.”

Homero criticou especialmente os ataques realizados pelo ministro Gilmar Mendes aos integrantes da Força-Tarefa da Lava Jato, como o procurador Diogo Castor de Mattos, responsável pela investigação dos pedágios no Paraná. “Por anos o procurador trabalhou praticamente sozinho contra a corrupção das concessionárias no Paraná. Pelos serviços prestados ao estado devíamos construir uma estátua para ele em alguma estrada no Paraná e chamar um ministro do Supremo para a inauguração”, disse Homero.
O esquema de corrupção nos pedágios trouxe prejuízo na casa de R$ 8,4 bilhões aos cofres públicos, segundo a Lava Jato.

O deputado ainda defendeu uma profunda revisão no papel do STF. Segundo ele, o tribunal age “como criador do caos e não como fiador da estabilidade”, como deveria ser. “São liminares em sequência, pedidos de vista que duram anos, decisões que desrespeitam outros poderes da República. Precisamos debater o papel do Supremo.”