Pesca artesanal no litoral do Paraná

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Nossa equipe participou, recentemente, da audiência pública denominada “pesca artesanal”, proposta pelo deputado estadual Goura e transmitida no dia 18 de abril. A audiência abordou diversos aspectos da atividade e trouxe para a população paranaense os principais problemas relacionados à pesca artesanal no nosso estado, com as dificuldades dos pescadores em obter licença para trabalhar, dificuldade na emissão de nota fiscal e regularização de embarcações. Entre outros problemas, foram citados também a falta de infraestrutura de decks, drenagem de áreas de difícil acesso e falta de estrutura de apoio para a emissão das notas fiscais.

O litoral paranaense é rico em diversidade marinha e possui um grande potencial de exploração pesqueira, com uma extensão de aproximadamente 102 quilômetros, ou de 1.400 quilômetros se considerarmos todo o contorno das baías de Antonina, Paranaguá e Guaraqueçaba, além de todas as ilhas. Com uma população de aproximadamente 302 mil habitantes no litoral (IPARDES, 2021), a maior parte dos pescadores artesanais se encontra em Guaraqueçaba, que conta com 2.259 do total de 4.288 pescadores artesanais paranaenses em 2020 (IDR-Paraná).

Para ter um retrato melhor da pesca no Paraná nossa equipe levantou informações sobre o PIB agropecuário dos municípios do litoral para entender melhor a importância da pesca na economia litorânea. Descobrimos que a pesca e a criação de pescados em cativeiro representa 92% de toda a produção agropecuária de Matinhos; em Pontal esse número chega a 90%; Paranaguá a 55% e Guaratuba, Guaraqueçaba, Antonina e Morretes chega a, 47%, 37%, 11% e 0,3% respectivamente. Diante disso, buscamos entender também qual percentual de toda a produção é proveniente dos oceanos, sem considerar a produção em cativeiro, o que nos levou à conclusão, surpreendente, de que no município de Matinhos, o percentual é de 99%, significando que praticamente toda a produção de pescados desse município é trabalho dos pescadores artesanais da região. Nos demais municípios o percentual da pesca de captura no total da produção em 2020 foi de 95% em Pontal, 63% em Paranaguá e 97%, 80%, 31% e 0% em Guaratuba, Guaraqueçaba, Antonina e Morretes, respectivamente.

Assim podemos ver a importância da pesca artesanal para a economia do litoral paranaense. Porém, vemos também que alguns problemas, como atravessadores na comercialização do pescado, dificuldade na emissão de documentos e acesso ao crédito, vêm comprometendo a renda dos pescadores e, possivelmente, o acesso ao seguro defeso como mostra nosso levantamento na tabela abaixo. Vejamos:

TABELA 01 – Nº DE PESCADORES ARTESANAIS QUE RECEBERAM SEGURO DEFESO POR ESTADO

A tabela demonstra que no ano de 2013, algo torno de 7 mil pescadores artesanais receberam o seguro defeso no Paraná, porém, esse número caiu para 4,1 mil em 2021, apresentado uma queda de aproximadamente 42,8% em 9 anos. Podemos ver, também, que essa tendência de queda no número de pescadores assegurados se repete nos demais estados do Sul e Sudeste que fazem divisa com o mar. Paraná e Espírito Santo, no entanto, foram os estados que apresentaram as maiores quedas nesse período. O fato de haver menos pescadores recebendo seguro defeso pode ser explicado pela evasão desses pescadores da atividade pesqueira, que, possivelmente, procuram por outras fontes de renda ou, ainda, a dificuldade de acesso à documentação para comprovação do direito ao seguro. De qualquer forma, essa redução é preocupante e demanda políticas públicas para frear ou, até mesmo, reverter essa tendência.

Com o intuito de incrementar a renda do pescador e melhorar a qualidade dos pescados oferecidos no nosso litoral, propusemos na audiência pública, a elaboração de projeto de lei nos mesmos moldes da Lei Estadual nº 18.188 de 2021, de Santa Catarina, em vigor e que permite a compra direta por parte de bares e restaurantes do pescado artesanal diretamente do produtor, ou seja, permitindo a desnecessidade de atravessadores ou de fiscalização sanitária excessiva na comercialização do pescado fresco, tratado e servido em bares e restaurantes. A Lei possibilita a formalização de acordos entre estabelecimentos e produtores, de forma a facilitar o escoamento da produção por parte do produtor e a aquisição de pescados mais frescos por parte de restaurantes que teriam uma área exclusiva para a manipulação do produto. Apesar de corriqueira, essa comercialização direta de pescados ainda é considerada atividade clandestina pela Lei Federal nº 1.283 de 1950, que estabelece a obrigatoriedade da prévia fiscalização sanitária de todos os produtos de origem animal.

Dessa forma concluímos nossa participação na audiência propondo a redação do projeto de lei, permanecendo à disposição para sugestões para a melhor adaptação do projeto à realidade paranaense. Abaixo segue nossa contribuição na audiência.

PESCA-NO-LITORAL-PARANAENSE-FINAL